Geografia Poesia Fé: Setembro 2008

Sou classe média.

Sou classe média.

Papagaio de todo telejornal
Eu acredito
Na imparcialidade da revista semanal Sou classe média,
compro roupa e gasolina no cartão
Odeio "coletivos" e
vou de carro que comprei a prestação Só pago impostos,
Estou sempre no limite do meu cheque especial
Eu viajo pouco, no máximo umPacote CVC tri-anual Mas eu "tô nem aí"
Se o traficante é quem manda na favela
Eu não "tô nem aqui"
Se morre gente ou tem enchente em Itaquera
Eu quero é que se exploda a periferia toda Mas fico indignado com o Estado
Quando sou incomodado
Pelo pedinte esfomeado
Que me estende a mão O pára-brisa ensaboado
É camelô, biju com bala
E as peripécias do artista
Malabarista do farol Mas se o assalto é em "Moema"
O assassinato é no "Jardins"
E a filha do executivo
É estuprada até o fim Aí a mídia manifesta
A sua opinião regressa
De implantar pena de morte
Ou reduzir a idade penal E eu que sou bem informado
Concordo e faço passeata
Enquanto aumento a audiência
E a tiragem do jornal Porque eu não "tô nem aí"
Se o traficante é quem manda na favela
Eu não "tô nem aqui"
Se morre gente ou tem enchente em Itaquera
Eu quero é que se exploda a periferia toda Toda tragédia só me importa
Quando bate em minha porta
Porque é mais fácil condenar
Quem já cumpre pena de vida.


Att, Giliad de Souza (Gil)

Veja também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...